Reader Comments

Engarrafamento no transito nas grandes cidades

by carlos nunes (2018-11-27)


O trânsito é uma guerra – disse ele, e o carro começou a avançar. O primeiro inimigo que encontramos foi um Monza muito velho e muito baixo, cheio de homens, que andava bem devagar pelas ruas do condomínio onde a gente mora. É um lugar bem legal. Tem muitas casas, muitas lombadas e algumas árvores. O nome do condomínio é Colibri’s Park. Minha mãe, que é professora – por vocação, ela sempre diz –, acha o nome bem poético, meu pai fala que é chique, minha irmã acha ridículo e meu Vô Chico diz que é do arco-da-velha (ou qualquer coisa assim). No Colibri’s Park tem também muitos guardas que fazem ronda o tempo todo. É uma questão de segurança, dizem meu pai e minha mãe. Me disseram também que, no ano que vem, vai ter um cinema no condomínio e a gente nem vai precisar sair de lá para ver filmes. Demoramos para sair do condomínio porque o carro velho cheio de homens quase que parava a cada lombada e papai reclamou do pagamento IPVA atrasado adiantava ter um carro se era para guiar tão devagar, que eles deveriam nos dar passagem e chamou o Monza velho e baixo de “peça de museu”. A paciência de meu pai acabou acabando, daí o 4.4 turbo alto e preto buzinou, rugiu e ultrapassou a peça de museu, mas não adiantou muito porque a gente já estava chegando à portaria onde ficam outros guardas, escondidos atrás de vidros escuros e que gostam de perguntar os nomes das pessoas estranhas e falar ao microfone. Eles abrem e fecham pesados portões que se movem lentamente. Reparei que eles gostam mais de fechar os portões do que de abrir. Também é questão de segurança, eu acho. Finalmente chegamos à estrada que leva à cidade e minha mãe ficou nervosa. Ficou mais nervosa ainda quando meu pai disse que havia muito, muito trânsito, e que se ele não desse um jeito chegaríamos atrasados no cinema. O primeiro jeito que ele deu foi, num piscar de olhos, passar da pista da direita para a pista do meio – olé – e da pista do meio para a pista da esquerda – olé –, deixando um monte de inimigos para trás. Mó legal, mas não adiantou porque a fila da esquerda andava menos que a fila da direita. Papai falou do IPVA Paraíba 2019 e minha mãe disse “calma”. Ele não quis saber de calma e – olé – conseguiu voltar rapidamente à pista da direita usando o pisca-pisca e o potente acelerador, mas teve que usar o potente freio porque um enorme caminhão entrou na nossa frente e ficamos atrás de todos os carros que a gente tinha ultrapassado antes. Muito azar. “Folgado”, disse meu pai. Mas não teve jeito, ficamos bastante tempo atrás do caminhão porque ninguém teve a gentileza de nos dar passagem. E deu até para ler direitinho o que estava escrito no para-choque do caminhão: “Se está com pressa, passa por cima”. Mas não dava e, então, papai teve uma ideia: ultrapassou o folgado pelo acostamento.